Category Archives: OPINIÃO

A Educação de Eleanor, de Gail Honeyman

61195993_390887908183127_1997304335469379584_n

Opinião Vou ser sincera. Eu não sei onde fui buscar a força de vontade para avançar com a leitura deste livro. Mas antes que decidam não o ler… leiam a minha opinião porque ela muda!

Quando comecei o livro já não me lembrava do que se tratava e honestamente nem a sinopse quis reler. Avancei logo para a leitura e daaaaang que soneira. Bad timing ou bad writing? Don’t give up yet!
Estava eu a 20% e continuava a não entender nada! Eu até pensei em fazer um outro tipo de opinião, mas essa ideia acabou por não vingar.

Agora… foi muitooooo difícil eu entrar no mundo da Eleanor. Não a entendia e achava-a estranha e enervava-me, for real! O comportamento dela, as atitudes dela, a visão dela sobre o mundo… só me apetecia abaná-la e pensava realmente que ela tinha algum tipo de atraso.

“If someone asks you how you are, you are meant to say FINE. You are not meant to say that you cried yourself to sleep last night because you hadn’t spoken to another person for two consecutive days. FINE is what you say.” 

Até que comecei a entrar na história. A achar os comportamentos dela mais… não refreshing mas a pensar que realmente a sociedade nos faz comportar e pensar de certa forma, pré-conceitos pelos quais nos guiamos, de tal modo que quando alguém é diferente, esse alguém é olhado de lado.

O livro é, inteiramente, sob a voz da Eleanor. Ela é super formal, e tão inocente (a meu ver) que alguns dos comportamentos são realmente porque…. ela nunca teve ninguém que a ensinasse de forma diferente. Ela cresceu sozinha, passou por traumas horríveis e isso fez com que ela se tornasse diferente e tão… frontal, sem papas na língua, que uma pessoa pensa que ela é mal-educada. Eu apercebia-me que ela tinha qualquer coisa de diferente mas não conseguia entender o … “quê”.
E depois a mãe dela… Se me apetecia abanar a Eleanor, nem queiram saber o que me apetecia fazer ao poço de, perdoem a expressão, caca que é a mãe. Ela nem devia de ser chamada de mãe!

AH! Uma coisa diferente! O relacionamento da Eleanor e do Raymond. Adoreeeeeeeeei mesmo! Duas pessoas tão diferentes mas cuja amizade, apesar das estranhezas, cresce e a cumplicidade que desenvolvem e o apoio que dão um ao outro…. Amizades verdadeiras são lindas de se ver.

“Sometimes you simply needed someone kind to sit with you while you dealt with things.” 

É um livro com bastantes questões pesadas, bastante história, e com um final que me surpreendeu. Começou difícil,  fez-me ficar com raiva, curiosa, e finalmente contente, por ter oportunidade de o ler!

“There are scars on my heart, just as thick, as disfiguring as those on my face. I know they’re there. I hope some undamaged tissue remains, a patch through which love can come in and flow out. I hope.”

Comprem aqui – WOOK

Uma leitura com o apoio deResultado de imagem para porto editora

Anúncios

Dumbo – Circo de Sonhos, de Kari Sutherland

60277220_2054166861551138_6034370557720395776_n (1).jpg

Sinopse O circo itinerante dos irmãos Medici é composto por um grupo diversificado.
Temos a Menina Atlântida, a sereia residente, que está a tentar encontrar a sua voz. E Rongo, um homem forte que faz malabarismos com mais funções do que as que consegue contabilizar. Também temos uma família destroçada que precisa de recuperação: Holt – um ex-domador de cavalos e veterano de guerra; a sua filha, Milly – uma cientista em ascensão com pouco interesse em dedicar-se aos números da família; e o seu irmão mais novo, Joe – um miúdo trapalhão que anseia por estar na pista.
Mas tudo muda para o circo quando um pequeno elefante com um talento único entra em cena. E, quando o Circo dos Irmãos Medici se junta à elaborada Terra dos Sonhos de V.A. Vandevere, todos entram num novo mundo – que talvez não seja tão ideal como parecia no início.

Opinião“Baby mine, don’t you cry
Baby mine, dry your eyes
Rest your head close to my heart
Never to part
Baby of mine”

Okay desculpem, mas tive mesmo de começar o post assim haha!
Dumbo é LINDO. MARAVILHOSO. Por isso quando vi que a Dom Quixote tinha lançado Dumbo – Circo de Sonhos, eu sabia que tinha de o ter!
Li-o num instante mesmo! E ainda bem que o fiz. Sinto-me um bocadinho mais contente com o filme agora. Não que não o tenha adorado! Eu adorei o filme! Mas sentia falta de certas coisas nele, e apesar de não ter melhorado a 100%, penso que ler o livro é um must.

O livro e o filme complementam-se. WOW. Penso que nunca disse isto acerca de um livro. Normalmente prefiro o livro ao filme, mas não foi este o caso! MILAGRE! HAHAHA!

O livro foca na história de cada um dos intervenientes do circo e eu gostei mesmo muito de saber a história de cada um deles, o background, como chegaram ali, pensamentos, sentimentos, … Penso que deu mais humanismo, porque sabemos muito bem que os filmes não conseguem mostrar tão bem, os pensamentos e sentimentos das personagens.

Por outro lado, enquanto que no filme vemos todos aqueles efeitos e cenas que ficaram maravilhosas, como a cena em que recuperam a mãe Jumbo, no livro, essa parte, é bastante seca e falta-lhe alguma emoção, qualquer coisinha ali… Hum… mais descrição, talvez?

É um livro mais para ser lido pelo público juvenil… Oh, o público mais adulto que ame magia e Disney – como eu – também pode ler e amar! hehehe!

Fiz uma pequena opinião do filme, em inglês – se quiserem ver, força!:
https://lucidbeautifuldream.wordpress.com/2019/04/06/dumbo-2019/

Comprem aqui – WOOK

  Uma leitura com o apoio deResultado de imagem para leya

 

O Casamento Inventado, de Julia Quinn

SinopseEnquanto dormias…
Órfã e com o irmão ferido nos campos de batalha da América, Cecilia Harcourt vê-se perante duas opções aterradoras: ir viver com uma tia solteirona ou casar com um primo maquiavélico. A jovem escolhe a opção… três: atravessar o Atlântico e ajudar o irmão a recuperar. Mas após uma semana de buscas, Cecilia não encontra o irmão e sim o melhor amigo dele, Edward Rokesby. O galante soldado está inconsciente e a precisar desesperadamente de cuidados. Para lhe salvar a vida, Cecilia recorre a uma pequena mentira…

Eu disse a todos que era tua mulher.
Ao recuperar a consciência, Edward constata que não recorda nada dos últimos três meses. Mas… decerto que se recordaria de ter casado… ou não? Mas se todos dizem que assim é…

Se ao menos fosse verdade…
A mentira que Cecilia contou pode pôr em risco todo o seu futuro, mas ela fê-lo por amor… pois quanto mais tempo passa com o jovem, mais intensos (e verdadeiros!) são os sentimentos que nutre por ele. E quando a verdade vier ao de cima, quem sabe o que irá acontecer? O próprio Edward poderá ter também algumas surpresas por revelar…

OpiniãoAh “Julinha”, o quanto sou apaixonada por ti!
Quando soube que tinhas lançado mais uns livros, desta vez com os Rokesby mas com os Bridgerton, também, presentes na narrativa, fiquei tão entusiasmada! Li “A Indomável Miss Bridgerton” num ápice e até fiz opinião! (Podem ver aqui.)

Depois BAM, a editora Leya lançou o segundo volume e eu aaaaaaah necessito!!!
E agora cá estou eu, ansiosamente à espera do terceiro…..

Mas antes disso, “Julinha” deixa-me falar contigo sobre este segundo livro.
Desta vez resolveste sair de Inglaterra, huh? Fizeste-nos atravessar o mar, ir para a América, em plena Guerra (!) e conhecer o Edward, o irmão do George. E que maravilhoso irmão!
E saber que os nossos protagonistas se conhecem, por causa das cartas que a Cecília e o Thomas – que são irmãos – enviavam um ao outro… Honestamente adorei o início dos capítulos, com pequenos excertos das cartas. Eu mesma, parecia que esperava por elas e era tão calmante e aconchegante ler parte delas…
Mas caraças, a Cecília e o Edward, começaram a interessar-se um pelo outro, através das cartas! Adoro! Imagino o quão “normal” isso não seria antigamente…
Ah, mas fizeste-me ficar com o coração na mão, Julinha… Eu estava sempre à espera de notícias do irmão dela e, nervosa também, porque o Edward, a qualquer momento, podia descobrir a mentira da Cecília.
Se bem que eu faria o mesmo que a Cecília! Acho que muita gente faria o mesmo! E a mentira dela, não magoou, nem afectou a vida de ninguém! Excepto a do Edward
 que, muito possivelmente, só sobreviveu por causa dos cuidados dela. 

Tenho é uma coisinha que não gostei tanto… Este livro foi um bocadinho mais parado e eu adoro picardias… All that sassiness, you know?
Não importa! O que importa é que continues a escrever sobre estas duas famílias, para eu ter os livros que são capazes de me confortar, à mão.

Keep on going, “Julinha”!

Comprem aqui – WOOK

  Uma leitura com o apoio deResultado de imagem para leya

The Greatest Showman

Acabei de ver The Greatest Showman e o meu coração está a transbordar. De amor, de emoção, de alegria. A minha garganta está a fechar e estou meia chorona. Tudo isto porque o filme tornou-se um dos meus favoritos. Adorei tudo. Desde as músicas, que logo aos 8 minutos me fez apaixonar, quantas às personagens,  quanto aos outfits, quanto à própria história! Estou toda arrepiada!

Grande grande mensagem. Acho que tudo o que é necessário é mostrar isto:
Sem Título9
Penso que isto resume tudo, não? Confesso que tive alguma dificuldade em entender algumas partes, mas foi apenas até ao momento em que lembrei-me que o filme se baseia numa história verídica, e que se passou nos anos 1800’s.
Todas as ditas… perdoem a expressão, “aberrações”, hoje em dia já … oh quem é que eu quero enganar? Ainda hoje muitas das pessoas “diferentes”, infelizmente, são tratadas como aberrações. Sabemos sim, que existem doenças e que elas são a causa de muitos dos problemas, mas isso não nos impede de nos afastarmos, de olhar de lado ou mesmo com curiosidade ou escandalizados. E nem me venham com tretas, porque sabem que é bem verdade. Somos muito evoluídos para muita coisa, mas somos MUITO idiotas e racistas e cheios de fobias, para outras.

Mas confesso que fiquei a olhar para a personagem da Zendaya e a pensar… mas wait… porque é que ela está ali no meio? O que é que ela tem de diferente, a não ser, ser trapezista? Tive mesmo de ir pesquisar e quando me apercebi… oh…. o racismo… Fiquei mesmo argh how… How can we still be like this?

Hoje em dia, este mesmo espectáculo seria alvo de tanta mas tanta crítica negativa, tanto de pessoas a odiar as “pessoas diferentes”, como aquelas a tentar proteger e odiar o facto de terem usado essas mesmas pessoas. E vinha, também, a PETA para o barulho, por causa dos animais (que eu totalmente apoio! Não temos nada de os prender!). O que fazer, tho? Hoje em dia, ninguém está feliz com nada.

Desviando de assuntos pertinentes, actuais, mas tristes.
Houve ali cenas que AMEI! Eu poderia encher o post de gifs e mesmo assim, não seria suficiente!
Posso é colocar aqui os vídeos das músicas que mais gostei… Oh God, tenho de diminuir a lista. Vai ser difícil hahaha!
Adoro esta música. For real!

Esta é tão, mas tão linda…
Só o relacionamento deles vai contra tudo e todos. O menino rico e a menina negra e pobre. E foi tão lindo ver esse mesmo amor a sobreviver, mesmo com todos os problemas que poderiam e vieram a acontecer. AI ADORO. Estou a ouvir agora e as lágrimas a querer escorrer hahaha. I am emotional.
A própria letra!

“‘Cause every night I lie in bed
The brightest colors fill my head
A million dreams are keeping me awake
I think of what the world could be
A vision of the one I see
A million dreams is all it’s gonna take
A million dreams for the world we’re gonna make”

“So who can stop me if I decide
That you’re my destiny?
What if we rewrite the stars?”

OH MY GOOOOOOOOOOOOD! I DIDN’T KNOW I NEEDED THIS IN MY LIFE BEFORE…
(btw é nesta parte que o Zac faz uma cena que é tão HSM3! Não encontrei o gif, mas é entre os 3:31 e 3:37. Conseguem lembrar-se da cena de HSM3 que falo? hahaha)

É a última! Prometo!
Esta tornou-se no hino do filme. E com razão. Já ouviram e compreenderam bem a letra? É mesmo inspiradora! Volto a repetir… Estou arrepiada. 

Este filme é lindo. Magnífico. É um dos filmes que admito que me arrependo IMENSO de não ter visto no cinema. Imagino que teria chorado baba e ranho e nem quereria saber. Mas choraria e sorriria e é isso que faço hoje!

Resultado de imagem para the greatest showman gifMine sure isn’t!

Boas Esposas, de Louisa May Alcott

Quando soube da existência de Boas Esposas, pensei logo que teria que ler.
Mulherzinhas foi e sempre será um marco importante da minha infância e apesar de ser clichê, foi sim, um dos livros mais importantes que fez-me crescer enquanto pessoa.
Penso que todos os escritores adoram ouvir isso, certo? A Louisa deve estar felicíssima lá na campa. haha. Credo. Mórbida.

Mas eu não estou felicíssima. COMO ASSIM? Boas Esposas é um bom livro! Cheio de moral, de lições de vida, de aprendizagens!
Ambos são livros de devemos de reler de x em x anos. Agora… Porque não gostei tanto assim? Por uma razão bem fútil… o meu otp não terminou junto. E desculpem, mas quem não leu, que pare por aqui!

Eu queria a Jo e o Laurie juntos! Eu sou apaixonada pelos dois! Não consigo aceitar que ele tenha ficado com a Amy. E sim, ela cresceu de menina para mulher, mudou a sua forma de olhar para o mundo. Deixou de ser materialista para se tornar uma mulher que afinal, prefere casar por amor, a casar por dinheiro. Amadureceu. Mas… acho que o amor deles foi tão repentino que nem sinto que seja amor, mas sim companheirismo.

Acho que estou a ser injusta… mas tiraram-me o otp, por isso, sorry not sorry.

A Jo… a Jo enervou-me imenso e confortou-me imenso. O, também, crescimento dela, devido aos acontecimentos relacionados com a Beth, foi magnífico de se ver. A ambição dela era enternecedora e exasperante. Mas sério que tinha de se apaixonar por um homem 15 anos mais velho? Nada contra! Os meus próprios avós tinham 15 anos de diferença. Mas again. A futilidade da minha casmurrice – o meu otp não ficou junto!

E sabem? Pelo que li, a própria autora, tinha se apaixonado pelo seu tutor ou algo assim! E sendo a Jo, um alter ego dela mesma… há mais teorias sobre isto mas se fosse a comentar a todas….

Bem. Fiquem com o meu amor infinito pelas Mulherzinhas, com a minha convicção de que AMBOS os livros devem de ser lidos, pelo menos uma vez na vida, e com a certeza que, sim este tipo de livro, não agrada a todos, mas vale a pena tentar!

Podem comprar o livro AQUI
Uma leitura com o apoio da Editora
11564690-vector-yellow-shiny-rating-stars.jpg

O Quebra-Nozes e Os Quatros Reinos, de Meredith Rusu

OpiniãoHoje vou falar-vos de um livro que só me apercebi da existência dele, quando o vi na FNAC, alguns dias depois de ver o trailer no cinema. E devo dizer-vos que quando vi o trailer no cinema fiquei em pulgas! O cenário, o vestuário, tudo aquilo cativou-me!

Então a Leya enviou-me o livro e desde já agradeço IMENSO.
Mas demorei a lê-lo. Porquê? Eu sou daquelas pessoas que preferem ver o filme primeiro e depois ler o livro. Se fizer ao contrário, sinto que odeio os filmes – hahaha – e como não o consegui ir ver ao cinema, tive de esperar, ainda, umas boas semanas.

Entretanto peguei no livro e …… quase devorei.
Vamos por partes. Quando vos falam em Quebra-Nozes, em que é que pensam? Porque a mim, tudo o que me vem à cabeça é o ballet clássico! E honestamente and shame on me for that, eu não fazia a mínima ideia da existência da história clássica, escrita por E.T.A. Hoffman. buuuu

Contudo este livro, editado pela Leya, é uma adaptação do filme lançado no ano passado, escrito pela escritora Meredith Rusu.
E é tãoooo melhor que o filme! Achei que o filme… faltou-lhe ali um quê de qualquer coisa. Adorei na mesma os cenários e as roupas e tudo isso, MAS achei que faltava algo e apercebi-me desse algo quando li o livro. Sabem o que faltou? A história da mãe da Clara.
O livro é escrito em três pontos de vista e o mais importante é mesmo o da mãe da Clara. No livro ela conta como todo aquele mundo mágico nasceu e o que levou às acções de certas personagens e o sentimento é tão bonito, tão acolhedor…

Por isso sim, se ficaram desiludidos com o filme, ou mesmo se o adoraram… leiam o livro. A escrita do livro é super leve, dinâmica e quando derem por ela, já estarão na página final.

  Resultado de imagem para stars emoji pngResultado de imagem para stars emoji pngResultado de imagem para stars emoji png
WOOK | BertrandFNAC
Uma leitura com o apoio da Editora Leya
asa

Pequenas impressões – Li em Janeiro

Durante MESES, sempre que queria falar de alguns livros, apercebia-me que me esquecia do que se tratavam ou da minha própria opinião acerca deles. E sim, eu sei que existe o Goodreads e tudo mas queria experimentar este formato durante algum tempo, a ver se.. well… se resulta.
Qual formato? Falar um bocadinho de cada livro, sobre o que achei e assim. E sim. Sorry mas spoilers vão existir!
Ah! E quem me segue no YouTube, provavelmente já sabe as leituras que fiz eheh. Porque é que decidi publicar em formato escrito? Well.. Nem toda a gente me segue por lá :p

“VAMU LÁ!”

Happily Ever After

OMG amo amo amo! Acho que foi dos livros que li mais rápido hahahah. Completamente viciada nesta história e sei que vai ser daquelas que me virá à cabeça durante anos a fio!
Eu quero um Brian na minha vida! A forma como ele protege a Ella, como pensa sempre no bem-estar dela, na forma como enfrenta o pai dela… uish. E que raiva de pai! Adorei a confrontação! Uma das melhores partes do livro, para mim!
E a Ella… quero que o blog dela seja real! Quero que eles sejam reais!

Krystallo

Nem me acredito que consegui uma parceria com um autor brasileiro! Tão feliz! Tem imensa política pelo meio e eu meio que andei perdida, mas não conseguia parar de ler! E YES! VAI SER TRILOGIA! Ansiosa para saber mais sobre os cristais! Principalmente agora que apareceu uma corujinha ❤

Hello, I Love You

Alguém que me pague uma viagem à Coreia, juseyo! Viagem e estadia e carago, alguém que me arranje lá emprego! QUE SONHO. Sim, tinha algum cliché pelo meio, mas quero TANTO. I mean.. Um coreano com uma americana? I am so in! Pode ser que um dia seja um coreano com uma portuguesa *cof*
E nop. Não é apenas isso. Ambos têm histórias por detrás. A história dela, então,… fez-me chorar! Não é apenas um livrinho para koreaboos. É um livro fofo, comovente e com uma lição.

#TheRealCinderella

Mais um retelling do clássico Cinderella e este sim – teve as odiadas meias-irmãs e a estúpida madrasta.
Mas eu gostei tantooooo! E o motivo foi que me relembrou de um dos meus filmes preferidos da minha.. “adolescência” – “A Cinderella Story”. Aquele filme com a Hilary Duff e o Chad Michael Murray. *swoons*
SUPAH CUTE!

Did I Mention I Love You?
Ai… que dizer sobre este livro…. Li-o num dia. Isto já diz muito, né? Eu nem sei explicar bem sobre o que é o livro sem spoilar, mas digo-vos que gostei imenso! É intenso. É grrr. E tem algo que eu simplesmente não entendo, mas é considerado tabu nos EUA. Sigh.

Já leram algum? Querem ler algum?
Beijinhoooos